Adedes Aegypt pode transmitir “verme do coração”

Adedes Aegypt pode transmitir “verme do coração”

Cães e gatos não contraem dengue, mas também podem ser vítimas do mosquito

Os animais domésticos e silvestres estão imunes contra as principais doenças que podem ser transmitidas ao humanos pelo mosquito aedes egypti: dengue, zika ou chikungunya.

Mesmo assim, os Pets podem ser infestados pelo parasita Dirofilaria immitis, que é transmitido por insetos, como o aedes. 

Ao entrar no organismo esse microorganismo causa dirofilariose, também conhecida como doença do verme do coração, porque a infestação causa lesões no sistema circulatório. Essas lesões reduzem o fluxo de sangue nos pulmões e, em situações mais graves, provoca insuficiência cardíaca.

Verme causa lesões no sistema circulatório

Sintomas

Depois de invadir o cachorro, o intruso se multiplica e evolui lentamente. Os sintomas da dirofilariose aparecem em forma de:

  • tosse,
  • cansaço,
  • desânimo,
  • abdômen dilatado,
  • edema pulmonar.

Tratamento da dirofilariose

A terapia para dirofilariose é feita por meio de medicamento específico que atua nas artérias do coração e pulmão para matar o verme.

Mas esse tratamento também representa risco um rico para o animal!

Tratamento representa risco, mas é única alternativa

O desentupimento de veias e artérias pode levar à embolia pulmonar e até infarto. Ainda assim, o tratamento deve ser feito, já que o parasita cresce com rapidez e a evolução é fatal.

Aporte nutricional específico tem efeito positivo

Durante e após o tratamento, o médico veterinário pode contar com NUXCELL BETA CARDIO – um suplemento nutricional específico para a saúde do coração, com ação adjuvante comprovada para aporte de nutracêuticos e melhoria da saúde do sistema cardiovascular.

Confira os resultados obtidos com o uso de NUXCELL BETA Cardio em animais cardiopatas: https://promo.nuxcell.com.br/cardio.

Prevenção

A prevenção dessa e outras doenças transmitidas por mosquitos pode ser feita através de remédios, sprays ou mesmo coleiras repelentes.

Também é fundamental lavar o recipiente que o animal utiliza, não deixar água parada no quintal e, claro, manter em dia vermifugação..